terça-feira, 18 de abril de 2017

Primeiros arrepios do outono...

Talvez, para uns, o outono anuncie os primeiros agouros dos gélidos e tristes sopros do inverno. Outros, no entanto, se envolvem nessa estação transitiva criando resiliência... indagando as transformações em direção a um possível silêncio. Em nossas duvidas e incertezas, queremos, atrelados às variações do outono, nos embaraçar com a morte. Que caminhos nos levam a descobrir a morte que paira, diariamente, fresca no ar? Sob gostos, signos e sentimentos, caminhamos em direção aos sabores. "Conseguirei captar o regojizo infinitamente doce de morrer" já nos afirma Clarice que a morte tem um sabor. Mas que sabor é esse? Descobriremos (ou talvez não) então, juntas, os sentidos atrelados à esse questionamentos, no embalar volátil dos ecos do outono.
no.

segunda-feira, 20 de março de 2017

Biblioteca NPGEOH

Amades, enfim, nossa biblioteca. Esse formato no blog é apenas provisório, enquanto não concluímos a catalogação em um programa adequado. Para realizar o empréstimo, basta efetuar seu cadastro e depois reservar o livro(s) que desejar. Serão emprestados até três livros simultaneamente, pelo período de 15 dias, podendo estender-se até quatro renovações. Caso seu livro esteja disponível, bastar ir um dia após a reserva na sala 3052 para retira-lo. Se já emprestado, você receberá um email assim que estiver livre para empréstimo.

Cadastro: https://docs.google.com/forms/d/1fTTt2rKbw5--ucbsmvbaRK2sNH7ipwUgv1sb-mWCg0M

Reserva:https://docs.google.com/forms/d/1oEVjens-da3y-oIeYR6W7Al2IHM4NCYkDYCNpHkjthY/edit

Confira abaixo a disponibilidade dos livros de nosso acervo:
Literatura:
Antoine de Saint Exupéry - O pequeno príncipe
Arnaldo Antunes - As coisas
Bartolomeu Queiroz - Indez
Baudelaire - Um comedor de ópio
Baudelaire - O poema do haxixe
Carlos Drummond de Andrade - Brejo das Almas
Drummond, Sabino, Campos e Braga - Para gostar de ler, volume 1
Ferreira Gullar - Muitas vozes
Flávia Craveiro - Película
Francisco Azevedo - O arroz de Palma
Manuel Bandeira - Libertinagem & Estrela da manhã
G. D. Leoni - A literatura de Roma
Ítalo Calvino - As cidades invisíveis
J.J. Benítez - Operação Cavalo de Tróia
Jorge Amado - Farda Fardão Camisola de Dormir
L. S. Turgêniev - Ássia
Manoel de Barros - Caderno I - Amorímpar
Markus Zusac - a menina que roubava livros
Rachel de Queiroz - O quinze
Roberta Barros de Carvalho - Zoopornô
Roberto Drummond - Os mortos não dançam valsa
Sabino, Campos, Braga e Drummond - Para gostar de ler, volume 2

Geografia:
Ana Francisca de Azevedo - A ideia de paisagem
Eric Dardel - O homem e a Terra
Fernand Joly - La Cartographie
Gianasi e Tubaldini  - Ambiente, cultura, arte e ciência: práticas e diálogos educacionais do ambiente rural.
Marandola e Gratão - Geografia e Literatura, Ensaios sobre geograficidade, poética e imaginação.

Filosofia, psicologia e espiritualidade:
Barry Lower- Filosofia - 50 conceitos e teorias fundamentais explicados de forma clara e rápida
Carl G.  Jung - O homem e seus símbolos
Dalai-Lama - Uma ética para o novo milênio
Georges Pascal - Compreender Kant
Hannah Arendt - Eichmann em Jerusalém
Jorge Larrosa - Tremores
Karin A. Fry - Compreender Hannah Arendt
Paulo Ghiraldelli JR - História Essencial de Filosofia
Rudolf Steiner - A filosofia da Liberdade
Santo Agostinho - Confissões
Thierry Janssen - O trabalho de uma vida

Teses de doutorado:
Jorge Crichyno - Fenomenologia e lugar poético no lugar arbóreo do parque do Flamengo
Tiago Vieira Cavalcanti - Geografia literária em Rachel de Queiroz

Ttabalho de conclusão de curso:
Ana Carolina de Andrade Evangelista - Sobre a produção do carvão vegetal, as histórias e as estórias de uso da mata atlântica: caminhos da conservação em André do Mato Dentro, Santa Barbara, MG

Dissertações de Mestrado:
Diana Alexandra Bernal Arias - A rosa do deserto: Hidropoéticas do lugar no habitar contemporâneo
João Baptista Ferreira de Mello - O Rio de Janeiro dos Compositores da música popular brasileira 1928/1991: Uma introdução à Geografia Humanística
Lucas Padoan - Entre Lapinha da Serra e Tabuleiro do Mato Dentro - O ecoar da travessia
Luiz Tiago de Paula - Fenomenologia dos Espaços Públicos: entre certezas e inseguranças da experiência urbana
Priscilla Marchiori Dell Gallo - A ontologia da geografia à luz da obra de arte: O embate Terra-mundo em  "Out of Africa"
Rafael Bastos Ferreira - Mundo-da-vida como fundamento vital para as políticas de adaptação



domingo, 5 de março de 2017

Outros novos chamados capixabas...

Boas brisas trazem mais fenômenos da costa leste do litoral brasileiro. Nossa colega capixaba do Rasuras, Carol Zechinnatto, convida a todxs para conversar sobre os desdobramentos sobre a paisagem, na defesa de sua dissertação de mestrado, intitulada "O que pode a paisagem? Escalas intensivas e linhas afetivas e narrativas poéticas cinematográficas e..." !


Quando? 06 de Março de 2017, Segunda Feira
Onde: Auditório do NTI/UFES

Comissão examinadora:

Prof. Dr. Antônio Carlos Queiroz do Ó Filho (Orientador) - UFES
Porfª. Dra. Celeste Ciccarone - UFES
Profª Dra. Ana Francisca de Azevedo - Universidade do Minho

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Chamamentos litorâneos...

Vem das terras capixabas, o convite às gentes mineiras do NPGEOH, e a todxs mais que se encantarem, para assistir a defesa de dissertação da nossa colega Lorena Marinho Aranha... pegar o trem e atravessar as montanhas para encontrar e encantar com essa linda viagem...

Defesa de Dissertação de Mestrado
Programa de Pós-Graduação em Geografia - PPFF

Lorena Marinho Aranha

Título - "Olhar enquadrado: A paisagem como regime estético representacional (Análise do filme Uma Viagem Extraordinária)"

DATA: 06 de Março de 2017 (Segunda Feira) - 9 horas

LOCAL: Auditório do NTI/UFES - Web Conferência

COMISSÃO EXAMINADORA:

Prof. Dr. Antônio Carlos Queiroz do Ó Filho (Orientador) - UFES
Profª. Dra. Celeste Ciccarone - UFES
Profª. Dra. Ana Francisca de Azevedo - Universidade do Minho

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

e por falar em amor... onde anda a geografia?

Dos corações, dos passeios ordinários pelas ruas movimentadas da cidade, dos dias ensolarados em casa, na varanda, ou no quintal... nossa geografia não só brota, mas forma-se como semente das explosões sentimentais, de nossos corpos, da Terra... falamos de algo maior que teorias e métodos, falamos de um substância existencial...
E por fala da geografia, onde ela anda?
É através de expressões poéticas, estéticas, imageadas, que nossas colegas nos contam suas geo-grafias. A última edição da Revista de Abordagem Gelstática foi presenteada com dois belos textos de Valéria Amorim e Virgínia Palhares, membros do NPGEOH.
Aprecie abaixo um aperitivo, e se divirta com esses relatos, escritos e construções:
Valéria do Carmo Amorim
A escrita aqui apresentada tem como propósito apresentar o relato de uma experiência feita na companhia de autores e suas obras durante o ano de 2015 com o intuito de trazer um pouco de luz à inquietação que trago comigo e que pretendo que seja minha guia: pensar a fotografia como possibilidade reveladora das relações diversas do homem com a terra, ou seja, sua geograficidade. Esta foi a proposta apresentada no V Seminário Nacional do Grupo de Pesquisa Geografia Humanista Cultural - SEGHUM. Foi um ano de leituras e reflexões e porque não dizer de angústias, que me fizeram pensar, principalmente após a leitura do texto Poeticamente o homem habita de Heidegger, se a questão originária não estaria na linguagem poética antes de partir para pensar a fotografia uma vez que penso a fotografia como linguagem, como arte, como possibilidade poética. Neste caminhar, além da fotografia me deparei também com as palavras do poeta Manoel de Barros que, juntas fotografia e poesia, me ajudam nesta aproximação com o desvelar de um habitar poético. Assim, este texto apresenta um pouco desta caminhada.
Virgínia de Lima Palhares

O pensamento antropológico de Edith Stein está ancorado na fenomenologia de Husserl. Ele está voltado basicamente para conhecer e explicar a pessoa humana em profundidade. A filósofa aborda os conceitos de comunidade e empatia para compreender o ser pessoa. Em sua fase religiosa, Stein se inspira em Teresa D'Ávila e São João Batista da Cruz para clarificar a experiência mística e seus símbolos. Pretende-se, neste texto, compreender como Edith Stein explora o simbólico e o mítico em seus escritos espirituais. Serão investigados, ainda, os símbolos apresentados por Edith Stein que podem se relacionar com a geograficidade, termo criado por Eric Dardel, para explicar a profunda relação existente entre o homem e a Terra. Torna-se um desafio aproximar as ideias de Edith Stein em sua fase religiosa ao pensamento de Eric Dardel sobra a própria possibilidade de ser no mundo através das profundas vinculações existenciais entre o homem e a terra.

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

em-cantos limeirenses...

A casa do SEGHUM será Limeira. Encantos humanistas e novos olhares para a geografia, em prosas com muita gente boa.